Home América do Norte México México: O Sítio arqueológico de Chichén Itzá
México: O Sítio arqueológico de Chichén Itzá

México: O Sítio arqueológico de Chichén Itzá

0

Quando decidimos conhecer o México, um dos lugares que não saia da nossa cabeça eram as ruínas de Chichen Itzá, localizadas no estado de Yucatán e tida como a capital da Civilização Maia, entre os anos de 900 a 1300 de nossa era. E podemos dizer com todas as letras maiúsculas NÃO NOS ARREPENDEMOS NEM UM POUCO! É um lugar muito interessante e que vale estar no seu roteiro de viagem quando for para o México. Adoramos conhecer! Algumas pessoas nos perguntam se é um lugar bacana para levar criança pequena e consideramos que sim. Primeiro por ser ao ar livre e com muito espaço para correr e brincar, segundo por poder se locomover com carrinho de bebê e terceiro é que tem muitas crianças que vão com suas famílias e a interação é total (mesmo em outras línguas). O México faz um tremendo calor e você precisa parar e respirar muitas vezes, principalmente com crianças. O sol é muito forte!!! E uma das coisas que decidimos fazer para não tornar um passeio muito cansativo para a Luna foi dormir uma noite em um dos hotéis do entorno das ruínas. E o hotel que escolhemos foi o Mayaland Hotel & Bungalows e contamos tudo nesse post pra você!

Como chegar

Para chegar em Chichen Itzá há duas opções: alugar um carro em Cancún ou Playa del Carmen ou contratar um pacote em uma agência e para isso indicamos a Travel Ahead que nos ofereceu os passeios Xoximilco (leia o post) e Barco do Captain Hook, uma agência de brasileiros que moram há anos no México e são especializados em receber famílias. As duas opções tem as suas vantagens e desvantagens! Na primeira, a vantagem é que te dá mais liberdade de horário, principalmente com criança, e a estrada é ótima, mas o ponto negativo é que são 2h30 a 3h00 de viagem e como é uma reta só, acaba sendo bastante cansativa, sem grandes paisagens. Na segunda opção e mais escolhidas pelos viajantes, são as excursões que saem de Cancun e Playa del Carmen. A vantagem é que não  é cansativo para dirigir e os preços dos pacotes são atrativos, porém é obrigatório seguir todos os lugares determinados pelo passeio, como por exemplo, paradas em lojas de artesanatos (o que algumas pessoas não gostam) e além disso chegar com outras inúmeras excursões e pegar o sitio arqueológico lotado.

A estrada é uma reta só, com boa sinalização
A estrada é uma reta só, com boa sinalização

Nós optamos por alugar um carro em Cancun e ficar com ele full time para fazer o nosso roteiro de 7 dias pelo México. Aliás quando você tira as passagens pela Copa Airlines ela já te oferece o aluguel do carro por um preço bastante atrativo devido a uma parceria da companhia aérea com as locadoras (saiu R$600 reais 7 dias de aluguel).

Outra dica: Se você resolver conhecer Chichen Itzá, faça isso no primeiro dia que chegar em Cancún porque depois você vai ficar tão cansado com tantas atividades, parques aquáticos e outras atrações que ficam na Riviera Maia que não aproveitará esse passeio.

 

De Cancun/Playa del Carmen a Chichen Itzá

Cancún fica no estado mexicano de Quintana Roo e Chichén Itzá em Yucatan, uns 196 km de distância.  Pelo Google Mapas você pode ver que tem a opção de pegar a rodovia 180 ou a rodovia 180D e principal diferença é que a 180 é mais antiga e não é pedagiada enquanto a 180D é uma via mais nova com dois pedágios no caminho e por isso fica mais deserta. Optamos pela pedagiada na ida e pagamos cerca de R$65 reais nos dois. Uma dica IMPORTANTISSIMA é encher o tanque assim que pegar o carro na locadora porque não há posto de gasolina pelo menos nos 120 km de estrada e assim evita surpresas desagradáveis.

Na volta, como fomos direto para Playa del Carmen, seguimos pela 180 e foi super tranquilo também.

 

No Google Mapas ele mostra os caminhos para se chegar lá.
No Google Mapas ele mostra os caminhos para se chegar lá.

O Sítio Arqueológico de Chichén Itzá

Chichén Itzá entrou como Patrimônio Cultural da Humanidade (UNESCO) em 1988 sendo o segundo sítio arqueológico mais visitado do México. O parque abre às 8 horas da manhã e a entrada é de 57 pesos por adulto (criança até 2 anos não paga) mais 45 pesos para taxa da câmera de filmagem. O sitio tem duas entradas: a principal e outra para os hóspedes dos hotéis do entorno. Para quem se hospeda lá é muito tranquilo e cômodo, além do que você entra no parque quando ainda está vazio, pois os ônibus de excursões chegam por volta das 10h30-11h00.

Entrada dos hóspedes dos hotéis que fica ao lado do Mayaland Hotel &Bungalows
Entrada mais simples para os hóspedes dos hotéis. A entrada fica ao lado do Mayaland Hotel &Bungalows

Por estarmos em uma zona afastada do litoral torna-se ainda mais quente e por isso indicamos levar um guarda-chuva para proteger os pimpolhos (ou carrinho de bebê com cobertura), garrafa de água, protetor solar, frutas para um pequeno lanche e barrinhas de cereais.

Luna no carrinho com todos os apetrechos para ajudar a aliviar o calor
Luna no carrinho com todos os apetrechos para ajudar a aliviar o calor

 

Optamos por contratar um guia para nos acompanhar em um mini tour de 1 hora que nos cobrou 450 pesos ( Depois de muita pesquisa fizemos uma relação dos principais pontos que gostaríamos de visitar para não perder muito tempo e não ficar tão cansativo para a Luna).

Na entrada das ruínas aconselhamos, para os que gostam de história, contratar um guia local
Na entrada das ruínas aconselhamos, para os que gostam de história, contratar um guia local

E listamos pela ordem de visitação, marcando no mapa abaixo:

  • Pirâmide de Kukúlcan: é conhecida também como Templo de Kukúlcan sendo o monumento mais conhecido deste complexo histórico-cultural e cartão postal dos que querem tirar a foto mais famosa do México. Não se fazia sacrifícios ali, era apenas o lugar onde o sacerdote se pronunciava ao povo. Kukulcán era considerado um deus sagrado – a serpente emplumada (“kukul” significa divino e “can” significa serpente)
  • Templo dos Guerreiros: Eram os espaços usados para os rituais dos guerreiros que eram tidos como os fortes e escolhidos dentre o povo maia.
  • Grupo das mil colunas: é um corredor de pilares imensos que sustentava tetos de madeira e sapé. Era a área de negócios na cidade para compras, vendas e debates de ideias.
  • Cenote Sagrado: o cenote era considerado um lugar de ligação entre o submundo e a terra por brotar água dele e dessa forma toda vez que era feito um sacríficio humano era jogado no cenote como oferecimento aos seres do submundo
  • Templo dos Jaguares:
  • Jogo de Pelotas: era o estádio da época onde os guerreiros jogavam uma espécie de futebol com uma bola de látex mas só podia fazer gol com os quadris ou com os pés.
  • Observatório maio ou El Caracol: era o local onde os astrônomos maias observavam os planetas e conjecturavam calendários e previsões
Mapa detalhado com os pontos de visitação de Chichen Itzá
Mapa detalhado com os pontos de visitação de Chichen Itzá
chichen itza
Pirâmide de Kukúlcan, o cartão postal do lugar
Cenote Sagrado
Cenote Sagrado

 

Templo dos Guerreiros
Templo dos Guerreiros
O guia nos mostrando como era o Templo dos Guerreiros com a mesa de sacrifícios na entrada
O guia nos mostrando como era o Templo dos Guerreiros com a mesa de sacrifícios na entrada
Grupo das mil colunas
Grupo das mil colunas
Templo dos Jaguares
Templo dos Jaguares
Jogo de Pelotas
Jogo de Pelotas
Observatório Maia
Observatório Maia ou também chamado de El Caracol

Uma curiosidade que o guia nos contou é que Chichén Itzá possui dois períodos do ano que lotam chamados de Equinócios da Primavera e do Outono (21 de março e 21 de setembro) quando acontece um fenômeno natural: o sol ao projetar sua luz na Pirâmide de Kulkucan, os degraus do templo fazem uma sombra que parece uma serpente subindo a pirâmide, um sinal que os maias acreditavam ser a manifestação de Kukúlcan,a serpente emplumada.

Sombra dos degraus formando uma serpente Fonte: Ciudad Yoga
Sombra dos degraus formando uma serpente Fonte: Ciudad Yoga

Tudo dentro do sitio arqueológico é maravilhoso! E se você quiser visitar todos os monumentos é super bacana também, isso depende do tempo destinado para o sítio arqueológico, inclusive ver com calma as inúmeras barraquinha com os artesanatos maias. A arquitetura e a inteligência nas construções nos deixaram de queixo caído, inclusive vendo as enormes pedras esculpidas usadas nos templos e os detalhes das edificações. É um mergulho na cultura maia!

No caminho para o Cenote Sagrado tem inúmeras barraquinhas com o artesanato maia
No caminho para o Cenote Sagrado tem inúmeras barraquinhas com o artesanato maia
Roupas e artesanatos coloridos em Chichén Itzá
Roupas e artesanatos coloridos em Chichén Itzá

Curta o nosso Facebook aqui!

Inscreva-se em nosso Canal You Tube aqui!

Gostou? Compartilhe!

Facebooktwittergoogle_pluspinterestmail

Deixe uma resposta